quinta-feira, 13 de abril de 2017

CU(elhinha)


Que vontade de comer uma coelhinha na Páscoa...





...ou depois da Páscoa!

Vulcano

quinta-feira, 16 de março de 2017

DETALHES E PORMENORES

Ela demonstrou que gostaria de ver mais um post meu... e eu disse que andava em busca de inspiração, uma ideia, uma imagem, pois parece que nada é gratuito para a minha escrita... pois pode até nem ser boa... mas  é inspirada! E no meio do nosso conversar...

Ela disse:
-Pode ser apenas um detalhe, um pormenor!


Vulcano

domingo, 5 de março de 2017

LIMERICK (part one)


Combinado meio em cima da hora, mas com a vontade que merecia, falei em ir até uma cidade não muito longe, mas longe suficiente para podermos estar à vontade e com vontade...
Saimos e iniciamos a nossa viagem no final da tarde de forma a chegar lá antes de jantar e conseguir o hotel ainda com pessoal na recepção. Tudo conseguido!
Chegamos e traziamos conosco tudo que era combinado... vontade, muita vontade, vibrador, lingerie, oleo para massagem, algemas... Então entramos no quarto, o 127... Assim que entramos pousamos os nossos sacos de viagem e olhamos um para o outro... em silêncio, não havia propriamente palavras a proferir...
Entre beijos e amaços, fomo-nos colando cada vez mais até acabarmos na cama, que estava bem do nosso lado. Depois de muitos beijos e caricias, ela disse para parar, como quem dá a entender não querer mais do que uns beijos de aquecimento! Será? Será mesmo que ela não quer nada comigo?
Então tentei abusar um pouco mais... sem dar a entender, coloquei-me de pé aos pés da cama, como quem alerta que ok, se queres parar, eu aceito, respeito! Ela deu um salto da cama e juntou-se a mim como quem busca mais um beijo! E o demos, não só um, mas uma respectiva coleção deles, mas... eu viro-a de costas para mim, e com o rodopiar do corpo, ela coloca as mãos na cama para controlar o rodopiar do corpo... o que deixou o corpo com o rabinho meio empinado! Seguerei-a nessa posição e comecei a beijar o seu pescoço, os ombros, o que a iam deixando mais fora de si... então aproveitei o momento e fui descendo. Acho que ela não contava com o que eu iria fazer, mas deixou-se levar.
Eu desci, percorrendo as suas costas com beijos e mais beijos até chegar ao seu rabinho. Num golpe só baixei-lhe as calças e fiquei com a suas cuecas fio dental na minha frente. Antes que ela tivesse tempo para reparar a minha vontade, o meu golpe de precisão, baixei-lhe o fio dental e deliciei-me de língua naquela coninha sumarenta, deliciosa. Nem uma única palavra foram ouvidas naquele quarto depois desse gesto... apenas um profundo fuspiro, de vontade, de prazer.
Em segundos, após minutos a deliciar-me naquele nectar dos deuses, ficamos sem roupa, ambos, e encontravamo-nos deitados na cama lado a lado.
Ela desceu e num percurso pelo meu peito, barriga, chegou lá... o meu pau já duro quase desapareceu pelo sugar da sua boca num gesto contributivo como quem paga o reverso da medalha que eu havia feito...
Aquela boca deliciosa a chupar o meu pau, duro, duro, duro, foi um pleno calmante que eu precisava! Não havia viagem que me deixasse fatigado, ou outro qualquer pensamento em mente. Simplesmente fiquei nas núvens em segundos.
Deito-a de barriga para baixo e empino-lhe aquele cu que me causava desejo, e volto a saciar a minha sede, a minha vontade naquela coninha, naquela bucetinha tão molhadinha, tão linda... mas baixo-a, colando-a à cama e levanto-lhe um joelho para que ficasse ao nível da sua cintura e, cuidadosamente baixei o meu corpo, colando-me ao dela e foi aí que o meu pau se juntou com aquela coninha.
Como seda, delicadamente, senti-me entrar dentro dela, e foram largados suspiros meus e dela em uníssono. 
Numa batalha em camara lenta, fomos dando por nós perdidos naqule momento. Era brutal de sensações, mas dava-se em camara lenta, pleno de sentimentos e prazeres. Um beijo, um afagar de cabelo, um desejo sussurrado ao ouvido, um sorriso malvado, molhado, afirmativo...
Saio de dentro dela e é a minha vez de a ver dançar em cima de mim, ao qual pedido la prontamente salta para cima de mim e me cavalga.
Sei que ela adora isso e o orgasmo lhe chega num instante...
Perante os gemido dela, que eu adorei ouvir, e acho nunca a ter ouvido gemer daquela forma, ela explode num orgasmo fantástico, e eu não consegui segurar o meu... quase em simultâneo, eu deixei-me levar por aquele mover de cintura, aquele tango dançado em cima de mim, colado em mim, comigo dentro dela... e eu vim-me, numa explosão saudada, brilhante, prazerosa...
Nossa, como essa mulher fode tão bem... bem do jeitinho que eu gosto!
-Vamos jantar?
-Sim, vamos!


Vulcano

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

QUE GATINHA...


NECTAR DE VENUS


Saliva-me a boca na recordação do teu sabor
Quero voltar a receber-te com a minha boca
Com beijos que cobrem o teu corpo
Com mãos que seguram o teu corpo e o aconchegam #
para junto do meu.
Quero o teu mel, o teu sumo, matar a minha sede...
Quero, quero, quero...
Doce sensação de sábia loucura!
E recordar, vislumbrando o teu rosto, num grito mudo 
que só um orgasmo sabe proporcionar...


Vulcano

domingo, 12 de fevereiro de 2017

EROS PORTO 2017

DE 9 A 12 DE MARÇO
NA EXPONOR



Vulcano

INSPIRAÇÃO


Quando se fixa um ponto e depois se consegue descrever cada pormenor, cada detalhe, cor, cheiro... às vezes precisamos de ter uma fonte de inspiração... mas que bela "fonte" aqui está!

Vulcano

TRIO





Quando me vais dar a chance de te comer a ti com a tua amiga?

Vulcano

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

O QUARTO


Naquele quarto onde nada mais existia a não ser aquela cama, onde o pecado fervia, onde os fantasmas se exorcisavam, onde alguns dos fetishes se realizavam, eu entrei..
Entrei nele e sentei na cama com ela a meu lado, a meu belo prazer, entregue em pleno e sem uma palavra dizer, de olhos nos olhos, dissemos tudo um ao outro, e amamo-nos...
Horas de prazer!
Vulcano

sábado, 4 de fevereiro de 2017

MARCAS DO PASSADO


Não é apenas um texto, não são apenas imagens, são marcas deixadas no tempo de quem se entregou por inteiro a um momento... em vários momentos.
Porque não haveria eu de escrever sobre ti, sobre nós?
Isso tem uma explicação tão simples e tão complexa... tão minha!
Nunca em toda a minha vida eu fiz amor, sexo, eu fodi com ninguém que encaixasse tão bem como quando acontecia entre nós!
O tempo ajuda a esquecer, perdoar ou mesmo apagar memorias que não queremos, mas o tempo nunca apagará memorias como o sair do banho e vislumbrar-te de quatro para mim, na cama. Como quem implora o meu corpo, como quem implora oferecer o seu... Um pleno jogo de palavras e seduções com a tentativa de passar do papel ou teclado para as mãos e corpo e fazer daquela ideia um verdadeiro momento inesquecível!
Um quarto que grava nos lencois pensamentos, uma cozinha que sente a força de um empurrar contra o balcão, um carro à noite, parado na berma de uma estrada ao fim de um jantar de confreterniação, quantos dias no final do trabalho parar o carro e ver as águas de um rio passar!
Eu não lembro... eu não trago nada destes pensamentos... simplesmente já foram esculpidas na memória!
São marcas do passado....
Vulcano

domingo, 22 de janeiro de 2017

SOZINHO


No quarto, depois de muito tempo passar, volto cá mais uma vez, quase por engano.
A tentação de ver algo novo, diferente foi maior que o meu propósito para pegar no pc.
Leio alguns dos meus textos e vejo que há imensas histórias por contar, aventuras, sexo suave e sexo mais abrupto... carregado de detalhes, bem da forma como aprecio.
Mas no final de contas hoje estou só, deitado da minha cama na esperança que o sono venha o quanto antes, para esquecer esta solidão!
Falta-me uma mulher, uma companheira, uma amiga, confidente...
Eu não procuro, a verdade seja dita, e por esse motivo não deverá aparecer a tal... pelo menos tão cedo!
Até já... e bons sonhos apimentados, quentes e molhados!
Vulcano