terça-feira, 27 de maio de 2014

AS MARCAS DO TEU CORPO


Sob estrelas gravadas no teu braço e outras artes na tuas pernas, eu ia observando e gravando cada movimento teu como se os meus olhos fossem a objectiva de uma camara.
O teu corpo, não paro de o olhar, de o admirar e desejar.
Mas é neste meus delírios que se vão tornando realidade que vou conseguindo roubar um toque teu, um desejo, um suspiro.
Quero ouvir-te mais uma vez, e com aquele olhar inocente mas perversa, a dizer-me: -Posso ajoelhar-me e tirar-te as calças?
Quase solto o meu mel, quase me venho só de ouvir, lembrar e imaginar a cena, o momento e todo aquele desejo teu e meu!


Hoje quero estar contigo.
Hoje vou entrar em tua casa e sei o que preparar.
Levo aquela garrafa que nos agrada, vou levar morangos também, chantilly, e levo no peito toda a vontade de um beijo, e à cintura, não consigo disfarçar o desejo que levo de morder o teu corpo.
Vou entrar e vou preparar o teu banho, e vou primar pelo cliché de imitar o que mais belo se fez para agradar alguém.
No banho colocarei as pétalas de rosa, e vou colocar do lado da banheira aquela toalha e roupão em algodão tão suaves que tanto gostas. Farei questão de acompanhar o teu banho nem que seja sentado a ver-te no finar tirar a espuma que ainda cobre o teu corpo, e passar-te-ei a toalha, enrolando o teu corpo nela.
Vou-te vestir o roupão, suave, cheiroso, e vou acompanhar-te ao quarto onde estarão a garrafa e os morangos à nossa espera.
A musica que toca é jazz, nem sei bem quem é mas caiu-me bem ouvir aquela musica antiga, e ficar ali lentamente ver-te sentar na cama e ficar perdido no tempo a olhar os teus olhos e ver-te roubar um morango.
Deixo-te saborear em pequenas dentadas, até que terminas e deixas cair o teu corpo na cama, como se o banho fosse uma mistura relaxante mas cansativo! Ficaste mole, mas incrivelmente sedutora.
Aproveito o teu corpo deitado e vou junto a ti para te beijar uma perna tua. Tu pedes-me: - Passa-me um moranguinho e vem beijar-me mais...
Será difícil prever o que se passou de seguida? Não, é claro que não é difícil. Eu dei-lhe o morango e voltei a derreter-me nas tuas pernas, como se desse pequenos beijo, brincalhões, suaves e doces.
Tu ainda a mastigar o morango dizes-me: Posso tirar-te as calças? Quero provar-te com o sabor do morango na boca!
Eu ao levantar-me passei o dedo bem entre as tuas pernas, sem tu estares a contar, mas quis ver se já te encontravas excitada...



Tu já mostravas sinais de estar bem quentinha. O que a mim me deixava bem contente. 
Mas eu não posso, nem consigo recusar um pedido teu, e entrego-me a teus braços.
Num ápice fico despido da cintura para baixo e o teu olhar ainda me faz crepitar um pouco mais. Tu não largas o meu olhar com o teu olhar e vais aproximando lentamente o teu rosto, a tua boca de mim... 



Beijas-me o meu pau, com as mãos na minha cintura, e fazes-me deslizar lentamente por entre os teus lábios, sem largar o meu olhar.
Isso faz o meu corpo tremer, quase como se fosse um orgasmo.
E ficas ali, em lentos movimentos, rápidos, directos e zig-zaguiados.
E com o auxílio de uma mão, colocas-me a direito à tua boca, e sais e voltas-me a engolir, mostrando os fios de saliva de tão gulosa que és.
Assim que me sinto quase a perder entre os teus lábios, levanto-te pois não quero vir-me já! Quero gozar o momento, quero beijar-te, tocar-te, usar-te, ter-te, quero abusar de ti... Dás-me?
Isto digo-o assim que te consigo levantar e chegar com o teu ouvido junto da minha boca.
E tu colocas um ar sério e dizes-me: vem anda, vem fazer o que quiseres de mim. Hoje estou muito obediente!
E com essas palavras deito-te na cama bem de quatro para mim.



Vou usar a minha língua bem do jeitinho que tu gostas, vou usar e abusar da minha língua. Vasculhando todos os teus cantinhos dentro e fora de ti! Quero sentir-me molhar, quero beber-te, quero matar a minha sede, e minha fome em ti, de ti...
Assim de quatro para mim, vou largar algumas palmadas fortes nesse traseiro, vou fazer-te suspirar e gemer de prazer.
Mas vou perder bastante tempo. A minha língua tem fome de cada movimento circular que faz no teu ventre, tem a sede das lambidelas seguidas, em linha recta... O meu pau mostra bem isso, essa minha fome, neste momento e a minha boca saliva de imaginar! Vou trabalhar também o teu cuzinho, porque se me apetecer, enquanto estiver dentro de ti, pode ser que faça um aquecimentozinho com dois dedinhos.


Quando te sentir bem molhadinha, e bem safadinha, eu sei que tu vais pedir para eu entrar em ti. Dizes: Anda, por favor. Quero-te agora, anda, vem.
E eu dou-te mais um morango a comer, e enquanto o comes eu entro em ti, bem lentamente, para que me sintas entrar, cada centímetro meu... também são poucos, mas são trabalhados da melhor forma que sei.
Entre mergulhos para fazer a minha língua percorrer o teu corpo e lamber o teu ventre, e entradas em ti, umas de uma só vez outras com suavidade, vou caminhando até te fazer perder num louco, delirante e magnífico orgasmo.
As gotas de suor absorvidas pelos lençois serão recordadas por todos os nossos dias...


Vulcano

4 comentários:

Girl With Tattoo disse...

Simplesmente ... Lindo , que quentinho bom Vu :P

Bj Grande em ti

Paula Rodrigues disse...

muito bom

Jinhos
Paula

Vício de Ti disse...

Gostei :)

Beijoca :)

Ly Sussurro disse...

um silencio para saborear ainda cada letra cada silaba cada junção...um sussurro